As 10 atrações imperdíveis em Fernando de Noronha


Não sei responder ao certo quantos dias são necessários para bater a Neuronha – uma neura muito falada por amigos meus que foram morar e trabalhar na Tv Golfinho, em Noronha –  Só sei que passei quatro dias na ilha e achei pouco porque sinto que eu precisava curtir cada cantinho com muito tempo e nenhuma pressa ou pressão. Para quem vai fazer uma degustação à ilha, como eu fiz, selecionei alguns passeios que podem ser prioridade pra você não voltar frustrado por não ter conseguido curtir a essência da ilha. 

Como expliquei aqui no post anterior, a ilha é cortada por uma rodovia, a BR 323, que tem 7 km e vai do Porto ao Aeroporto. Nessa curta linha, tem diversas vias que você irá encontrar diversos tesouros escondidos por lá.
1.Mirante do Sancho –  Na entrada do Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha tem o acesso as trilhas para o Mirante dos Golfinhos, Mirante do Sancho e Dois Irmãos. Ali fica também o acesso a Praia do Sancho.  Para esses locais você precisa de outra carteirinha que é a de acesso ao Parque Nacional Marinho, com validade de até 10 dias, custa R$ 75 reais. 

A trilha é muito organizadinha com caminho todo em material reciclado que parece madeira, acessível para cadeirantes e tudo. O acesso à Praia do Sancho é que continua sendo complicado pois é uma escadaria bem estreita mas é o esforço necessário para chegar na Praia eleita como a mais bonita do Brasil.
Acesso sofrido para a Praia do Sancho

Morro Dois Irmãos visto do mirante


2. Praia da Conceição,  Praia do Cachorro e Cacimba do Padre:  O acesso para a praia do Cachorro é pela Vila dos Remédios, tem que descer uma escadaria de pedra para chegar lá. Devido a ação das marés não tinha areia na praia, estava toda coberta por pedras. Cacimba do Padre e Praia da Conceição são os points onde acontecem os campeonatos de surf. Sempre vale a pena dedicar um tempinho. 

Cacimba do Padre

Praia do cachorro


3. Buraco do galego – Se a maré estiver baixa, é hora de visitar o Buraco do Galego – uma piscina natural com três metros de profundidade formada pelas rochas na Praia do Cachorro. Os mais atrevidos se aventuram pulando de cima das rochas. Mas para se deliciar da piscina não precisa se aventurar assim. Tem acesso pelas bordas das rochas.

Tem que ter uma amiga corajosa pra se jogar nele. Obrigada, Flavinha Tavares
4. Museu do Tubarão – O espaço onde você pode aprender tudo sobre o animal que mete medo nos mares. Lá tem diversas arcadas dentárias das espécies comuns no arquipélago, folheto com as características de cada um e diversas peças de souvenir com a temática do tubarão. O local também tem restaurante que serve petiscos curiosos como bolinho de tubalhau e salada de tubalhau feitos com de tubarão salgado num processo parecido com o do bacalhau. Outras atrações são conhecer o “Buraco da Raquel” e ouvir as diversas lendas que contam sobre a origem desse nome e as diversas esculturas de ferro pra fazer as fotos divertidas de rabo de sereia e de rei/ rainha dos mares. É do Museu do Tubarão também que compra o acesso ao barco NAVI.


Sou turista, me deixa ser sereia! 


5. Barco NAVI –  Para quem viaja com criança ou tem medo de mergulhar (tipo eu) o passeio na NAVI é uma boa opção. Custa R$ 200 e é preciso comprar e reservar o horário do passeio no Museu do Tubarão. Antes de sair, a gente passa um tempo na palestra sobre as espécies marítimas que iremos ver na “Expedição” e ainda dão um folheto com as diversas espécies para marcarmos o que vimos. Bem didático! A embarcação possui uma lente de aumento e é através dela que a gente vai conhecendo o fundo do mar da ilha. O ponto negativo é que de tanto ficar olhando pra baixo, pode bater o enjoo facilmente. 


Barco Expedição NAVI 


Um mergulhador visto pela lente do barco NAVI


a gente se sente no fundo do mar 


6. Mergulho de cilindro – São diversos pontos de mergulho em todo o arquipélago e três empresas diferentes oferecem o mergulho de cilindro com instrutor para fazer o mergulho. A Atlantis Divers é a mais famosa e possui estrutura de veículo de transfer e catamaram para seguir até o ponto de mergulho. Custa cerca de R$520 e paga a roupa de neoprene por fora. Eles possuem equipamento de foto e vídeo também que você paga por fora.   
O mergulho de Flavia Carvalho foi registrado pela All Angle 
Mais um click da All Angle cedido por Flavia Carvalho


Uma opção mais em conta para quem nunca fez um mergulho é procurar empresas de mergulho independente.  O mais recomendado pelos locais é o instrutor “Bodão” que o escritório dele é na Praia do porto mesmo. Tipo: bem ali na beira da praia, basta perguntar em qualquer barraca. Custa R$ 200 a 250 reais (pagamento apenas a vista em dinheiro) inclui a roupa e equipamento. Não possui barco e segue para o ponto de mergulho andando pela praia mesmo. 
recebendo as instruções do Bodão
#Partiumar 
O escritório dele é na praia, ele tá sempre na área, mas ele num é da tua laia não. Esse aí é o Bodão, instrutor de mergulho da Mar de Noronha. 

7. Praia do Porto – Diante de tanta praia linda, lá pode não parecer tão atraente, mas é um ótimo ponto para ficar de bobeira praticando Stand up paddle, snorkel ou apenas ficar apreciando. Eu fiz isso enquanto o boy estava fazendo o mergulho de cilindro. Acho que foi a minha carência de uma praia calminha. 

                                      

8. Festival Zé Maria – Aí chegou no setor que eu amo: comida. O Zé Maria é o morador mais prestigiado da Ilha, dono da Pousada Zé Maria e gosta de promover o festival gastronômico todas as quartas e sábados para exibir seus dotes de pescador. Segundo ele, todos os peixes servidos lá foram pescados por ele no dia, não sei se é papo de pescador. Custa R$140 por pessoa e a bebida paga por fora, mas só vale à pena se você, assim como eu, for muito boa de garfo. 

                            
A maior paella das Américas: pernambucanos entenderão
Se for colocar um pouquinho de cada coisa, já sai de lá rolando
Tuca Noronha, filho do Zé Maria, apresenta a chef de cozinha da doceria do hotel e suas guloseimas. Que Deus proteja os diabéticos! 
9. Baladinhas – Dependendo de qual dia você for a ilha, faça a  programação noturna de acordo com os barzinhos mais badalados da ilha: Bar do cachorro é onde tem os forrós dia de sexta e Muzenza onde tem o reggae nas quintas. Ambos são colados um no outro, próximo a Vila dos Remédios, onde tem diversos outros restaurantes e barzinhos. 
                                    
10. Projeto TAMAR – Dependendo do período do ano, é possível ver a desova de tartarugas na Praia do Sueste. Na alameda do Boldró é onde fica o Museu a Céu Aberto da Tartaruga Marinha do TAMAR de Fernando de Noronha. 

                                                                         



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo